vacinacao-em-massa-em-serrana-reduz-casos-graves-e-mortes-por-covid-19

Vacinação em massa em Serrana reduz casos graves e mortes por covid-19

vacinacao-em-massa-em-serrana-reduz-casos-graves-e-mortes-por-covid-19


Logo Agência Brasil

Um estudo feito pelo Instituto Butantan e publicado recentemente na revista científica Viruses demonstrou que a vacinação em massa realizada na cidade paulista de Serrana reduziu os casos graves e as mortes provocadas pela covid-19.

O levantamento – feito em parceria com o Hemocentro de Ribeirão Preto e o Hospital Estadual de Serrana e com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) – apontou que 95% dos casos de covid-19 identificados em Serrana foram leves, mesmo quando provocados pelas variantes Ômicron ou Delta, que se disseminam mais rapidamente.

Notícias relacionadas:

Para esse estudo, os pesquisadores sequenciaram 4.375 amostras de pessoas que testaram positivo para a covid-19 entre junho de 2020 e abril de 2022. Desse total, 1.653 casos eram referentes à infecção pela variante Delta, 1.053 pela Gama, 1.513 pela Ômicron e 156 por outras linhagens.

Vacinação em massa

A análise apontou, também, que a vacinação em massa fez com que 88,9% dos casos referentes à variante Gama fossem leves. Além disso, 98,1% das ocorrências relacionadas à variante Delta e 99,1% referentes à Ômicron também foram leves.

Segundo os pesquisadores, o estudo, apesar de não ser focado em efetividade vacinal, mas em uma análise filogenética – que examina o desenvolvimento evolutivo do vírus – demonstrou a influência positiva da vacinação.

“Apesar das ondas epidêmicas no período do estudo, observamos que a vacinação foi fundamental na redução da morbidade, dos casos graves e da mortalidade”, disseram eles.

O resultado da pesquisa ratificou estudo anterior divulgado pelo Projeto S, que apontou uma efetividade de 80,5% da CoronaVac contra casos sintomáticos de covid-19, de 95% contra hospitalizações e de 94,9% contra mortes provocadas pela covid-19.

Sublinhagens

O estudo identificou, ainda, 52 sublinhagens do vírus Sars-CoV-2 em circulação na cidade de Serrana, incluindo variantes raras que não haviam sido descritas no restante do país.

“Isso mostra a relevância de um monitoramento sistêmico das cepas circulantes, o que fornece informações moleculares e epidemiológicas importantes, ajudando não só a monitorar linhagens raras, mas também a predizer a introdução de variantes de preocupação e prever futuras ondas epidêmicas”, revelou a matéria.

Serrana fez parte de um estudo clínico que avaliou a eficiência e a efetividade do imunizante CoronaVac, vacina produzida pelo Instituto Butantan e pelo laboratório chinês Sinovac. Chamado de Projeto S, esse levantamento teve início em fevereiro do ano passado, com a vacinação em massa de toda a população adulta de Serrana com a CoronaVac.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Mais lidas

Receba nossas notícias

Cadastrar email

Sem spam, apenas notificações sobre as últimas notícias e artigos.

Ver mais notícias sobre:

Continue lendo

Posts relacionados