estudantes-de-rondonia-criam-‘biopomada’-para-tratar-leishmaniose-e-ganham-premio-nacional

Estudantes de Rondônia criam ‘biopomada’ para tratar leishmaniose e ganham prêmio nacional

estudantes-de-rondonia-criam-‘biopomada’-para-tratar-leishmaniose-e-ganham-premio-nacional


Com produtos de fácil acesso e naturais, os alunos ganharam o prêmio Solve For Tomorrow. Segundo a Agevisa, em Rondônia houve 779 casos registrados no último ano. Estudantes do IFRO são premiados em concurso científico
Preocupados com os casos de leishmaniose da região, cinco estudantes do Instituto Federal de Rondônia (Ifro) começaram a desenvolver uma alternativa de tratamento mais prática e com mais facilidade de acesso. Foi essa inovação que rendeu aos alunos a segunda colocação em um prêmio nacional.
Ana Clara Souza, Cauê Eduardo, Hugo Rodrigo, Laura Lauani e Sofia Nunes estudam química no instituto e desenvolveram uma ‘biopomada’ para tratamento de leishmaniose cutânea.
Atualmente o tratamento tradicional dura 30 dias, mesmo com constantes aplicações de injeções na pele. A ideia dos estudantes é simplificar esse processo e o torná-lo menos intenso.
“A gente se reuniu, fez várias pesquisas e percebeu que a leishmaniose cutânea é uma doença muito forte na nossa região, com números de casos elevadíssimos. Daí surgiu a ideia de usar tratamentos tradicionais para lesões cutâneas para tentar mitigar o tratamento atual da doença”, disse Hugo Rodrigo, um dos estudantes.
Alunos desenvolvem biopomada para tratar leishmaniose
Rede Amazônica
Segundo a Agevisa, os números de casos estão em queda no estado de Rondônia. Mas, mesmo assim, no último ano foram registrados 779 casos de leishmaniose.
O protótipo criado pelos alunos tem como base produtos naturais, como óleo de copaíba, folhas damiana e cera de abelha. Por isso, além de facilitar o acesso ao tratamento, também deixaria o processo mais brando ao paciente.
Projeto premiado
A 9ª edição do Programa Solve for Tomorrow, realizado pela Samsung, premiou projetos que “se destacaram pela criatividade e relevância de suas propostas”.
A biopomada dos alunos do Ifro chamou a atenção também pela conexão com a realidade e conquistou o segundo lugar na edição nacional.
“Quando chegamos aos 10 finalistas nossas expectativas aumentaram bem mais. Por nós termos conquistado o 2º lugar desse prêmio do júri técnico é mais do que gratificante, foi uma experiência muito incrível”, contou Laura Lauani.
Processos para usabilidade da pomada
Biopomada desenvolvida por alunos do Ifro em Rondônia
Rede Amazônica
O produto passou por testes laboratoriais, como impermeabilização e retenção à pele, o que já é fundamental para o projeto. A próxima fase será a testagem “in vivo”.
“Depois dessa parte de ‘in vivo’, vai ser feita a análise dos resultados para que se possa seguir com testes para humanos. Mas tudo isso é um processo muito lento e muito demorado, porque são muitos critérios que têm que ser seguidos”, disse a professora de química Márcia Bay.
Mesmo cientes dos anos de pesquisa que ainda vão ter que se dedicar pelo projeto, Ana, Hugo e Sofia desejam continuar as pesquisas. Eles também já se inscreveram para cursar Engenharia Química no Ifro.
Projeto de pesquisa de RO chamou atenção nacional
Rede Amazônica
O que é leishmaniose cutânea?
Conhecida também como ferida brava, leishmaniose é uma doença infecciosa que causa úlceras na pele. Além disso, também provoca mucosas das vias áreas.
Mosquito-palha costuma ser o transmissor do protozoário da leishmaniose
James Gathany/CDC
A transmissão é por meios de insetos que são conhecidos como mosquito-palha. Pela picada de fêmeas infectadas por eles, o ser humano pode ter consequências bastante graves, caso não seja realizado o tratamento correto e imediato.
Colaborou*: Loide Gonçalves, estagiária do g1 RO.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Mais lidas

Receba nossas notícias

Cadastrar email

Sem spam, apenas notificações sobre as últimas notícias e artigos.

Ver mais notícias sobre:

Continue lendo

Posts relacionados