dez-mitos-sobre-envelhecer

Dez mitos sobre envelhecer

dez-mitos-sobre-envelhecer


Estereótipos sobre hábitos e habilidades dos idosos ajudam a alimentar o preconceito Quem se lembra das figurinhas “Amar é…”, criação da neozelandesa Kim Grove que mostrava um casalzinho pelado com frases românticas e foi um sucesso na década de 1980? Pois imagine fazermos algo semelhante com “Ser idoso é…”. Infelizmente, é bem provável que veríamos uma enxurrada de estereótipos. O Instituto Nacional do Envelhecimento (NIH em inglês), referência norte-americana no tema, listou dez equívocos bastante comuns que apresentam uma visão limitada e incorreta da velhice. Tenho certeza de que todos poderão aumentar a relação…
Idosos sentados em banco: homens também deveriam se preocupar com a osteoporose
Mary Bettini Blank para Pixabay
Solidão e depressão são normais na velhice
É verdade que, à medida que envelhecemos, nosso círculo de amizades e relações tende a se estreitar. O luto pela perda de pessoas queridas pode provocar tristeza, ansiedade e depressão. No entanto, esses não são sentimentos típicos da velhice quando alimentamos uma rede de afetos e nos dedicamos a atividades que nos dão prazer e um propósito. Há inclusive diversos estudos mostrando que idosos tendem a sofrer menos de depressão do que adultos jovens.
Idosos precisam de menos horas de sono
O fato de termos mais dificuldade para dormir – e as mulheres enfrentam o problema a partir da menopausa, por causa do declínio na produção do estrogênio – não significa que precisemos de menos horas de sono. Idosos também deveriam dormir entre sete e nove horas, para se beneficiarem de todas as coisas que uma noite de descanso traz: bem-estar físico e mental, maior capacidade de foco e aprendizado.
Velhos não aprendem coisas novas
Há um ditado infame que perpetua o preconceito: “não se ensina truque novo a cachorro velho”. Embora o processamento de informações possa sofrer mudanças com a idade, a experiência acumulada ao longo da vida é uma grande aliada. A chamada reserva cognitiva faz com que pessoas maduras sejam capazes de resolver problemas até mais facilmente. O mantra deveria ser o oposto: o aprendizado contínuo é que mantém nosso cérebro afiado.
A demência é inevitável
O risco de desenvolver uma demência realmente aumenta quando envelhecemos, mas não é uma sentença inevitável que acompanha todos os idosos. Pequenas falhas de memória podem ser comuns, mas qualquer mudança significativa de comportamento e humor vale uma visita ao médico. Um estilo de vida saudável, que inclua alimentação equilibrada, atividade física, sono de qualidade e uma rede de relações sociais, é o melhor “antídoto” contra o declínio cognitivo.
Idosos devem evitar exercícios para não sofrer lesões
Os estudos mostram que todos têm muito mais a ganhar com a atividade física, mesmo quem é portador de uma doença crônica. Para quem tem alguma limitação, os exercícios podem ser adaptados – há até ioga para ser feita com a pessoa sentada numa cadeira. O sedentarismo é o grande vilão da longevidade, porque agrava condições inflamatórias do organismo. Vamos perdendo massa muscular e precisamos nos movimentar. Andar já é um ótimo remédio, mas o treino ideal inclui força, resistência e equilíbrio.
Se uma pessoa da família tem Alzheimer, eu terei também
As chances de desenvolver Doença de Alzheimer são maiores quando se tem um histórico familiar da enfermidade, mas isso não significa, necessariamente, que o mesmo acontecerá com você. Fatores ambientais, como a exposição a poluentes, e o estilo de vida também desempenham papel importante. Exercitar-se, deixar de fumar e controlar a pressão são providências indispensáveis para zelar pela saúde mental.
Idosos não podem dirigir
Nos Estados Unidos, por exemplo, um em cada cinco motoristas tem mais de 65 anos e a questão é menos sobre a idade e mais sobre as condições físicas e mentais de quem dirige (o que, inclusive, vale para todos). Problemas de visão ou audição, ou de perda de mobilidade e força, comprometem uma direção segura e, nesse caso, cada um deve ser bastante criterioso e honesto em sua autoavaliação.
Somente as mulheres devem se preocupar com osteoporose
Apesar de ser mais comum entre as mulheres, a doença também afeta os homens e pode ser subdiagnosticada. Embora a densidade óssea masculina seja maior, um em cada cinco homens acima dos 50 sofre fratura relacionada à osteoporose. Na faixa entre 65 e 70 anos, ambos os sexos têm perda óssea semelhante. Muitos dos fatores de risco são iguais para eles e elas: histórico familiar, déficit de cálcio e vitamina D, pouco exercício. Para aumentar a lista, baixos níveis de testosterona, álcool em excesso e fumar elevam as chances da enfermidade.
Sou muito velho para parar de fumar
Não importa a idade, nem por quanto tempo a pessoa fumou: abandonar o cigarro sempre traz benefícios. Ex-fumantes ficam menos expostos a resfriados e gripes, e apresentam taxas menores de bronquite e pneumonia. Apenas algumas horas sem fumar já diminuem o nível de monóxido de carbono na corrente sanguínea e, em poucas semanas, a circulação melhora, assim como as funções pulmonares. Não fumar diminui ainda o risco de câncer, infarto e derrame, além de livrar os outros da triste sina de serem fumantes passivos.
Se a pressão arterial baixou, é possível suspender a medicação
A desinformação sobre o controle da hipertensão persiste por se tratar de uma doença silenciosa. Ela pode ser controlada com medicação (e exercício, sempre exercício!), mas voltar a se tornar um grande risco se deixamos de tomar os remédios prescritos pelo médico, aumentando as chances de um acidente vascular encefálico ou doença renal.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Mais lidas

Receba nossas notícias

Cadastrar email

Sem spam, apenas notificações sobre as últimas notícias e artigos.

Ver mais notícias sobre:

Continue lendo

Posts relacionados